Tendo aprendido a lição o fechamento do porto de Yantian por mais de um mês, após as medidas para combater um surto de Covid-19 em maio deste ano reduzir drasticamente suas operações (cerca de 30% da capacidade normal), diversas transportadoras não estão otimistas de que a reabertura do Terminal de Contêineres da Ilha de Meishan (MSICT) ocorra em breve, já optando por omitir seus navios em Ningbo essa semana, tais como Cosco e CMA-CGM.

O terminal, que já havia começado a recusar atracações e a impor restrições mais severas para o acesso a suas instalações como medida preventiva de propagação aos novos casos de Covid-19 na região, recentemente teve suas atividades suspensas após ser constatado na quarta-feira (11) a contração do vírus por partede um de seus trabalhadores portuários.

A realização de testes nos demais colaboradores e a desinfecção do terminal estão em andamento. Ainda não houve anúncio oficial de quanto tempo o terminal ficará fechado.Para os demais terminais em Ningbo, a entrada de contêineres de exportação está limitada a dois dias prévio à previsão de chegada do respectivo navio de embarque.Diante desse cenário, os agentes marítimos estão tentando mudar a reserva de embarque de seus clientes para Xangai.

A Ilha Meishan está situada cerca de 30 km do principal terminal de contêineres de Ningbo em Beilun (NBCT) e a 60 km do centro da província, sendo responsável por aproximadamente 20% dos quase 30 milhões de TEU’s (unidade de medida de capacidade equivalente a um contêiner de 20 pés) que passam pelo porto anualmente.

A paralização de Meishan impacta principalmente a Ocean Alliance, grupo formado por Cosco, OOCL, CMA CGM e Evergreen (principais usuárias do terminal, sendo afetadas diretamente); porém, todas as outras companhias marítimas enfrentarão indiretamente o efeito cascata do recente acontecimento.

O fechamento pela Covid ocorre em um momento em que Ningbo e Xangai (Shanghai)vêm enfrentando forte congestionamento, o pior do mundo, nas últimas duas semanas. Os dados fornecidos hoje pela MarineTraffic (veja o mapa abaixo, os pontos representam os navios fundeados) mostram o volume sem precedentes de navios à espera de um espaço de atracação para abrir em Ningbo.

As medidas tomadas diante do ocorrido em Meishan irão gerar mais um grande impacto à cadeia logística internacional, com o atraso no envio e recebimento de cargas, falta de disponibilidade de contêineres e espaço nos navios para embarque, e contínua alta no valor do frete, ocasionando (ou estendendo) a interrupção dos negócios, agravando a instabilidade da já tão delicada situação econômica global.

Tire suas Duvidas